sábado, novembro 01, 2008

Portas a anfetaminas

Extracto da entrevista de Miguel Esteves Cardoso à revista Sábado:
    É verdade que O Independente se fechava à quinta-feira pela noite fora com muitas garrafas de uísque e cocaína à mistura?
    A coca no sentido físico só apareceu na revista Kapa, aí no sexto número. N’O Independente nunca houve. Havia era dinintéis aos caixotes [Dinintel é o nome de uma droga da classe das anfetaminas, vulgarmente denominada de speed, pelos efeitos de estimulação do sistema nervoso. Na época era legal, entretanto foi proibida].

    E álcool? Alguma vez teve a noção de que fechavam o jornal todos bêbados?
    Então não?! Quando falas em álcool deves estar a imaginar uma garrafa ou duas ou não sei quê. Eram às caixas, centenas de garrafas, com sacos de gelo! E o Dinintel era às caixas. Na altura era às lamelas. Cada um tomava uma lamela. Toda a gente sem excepção tomava. E depois era quase um saco de gelo por pessoa. Mas não bebíamos qualquer coisa, Eram whiskies irlandeses óptimos, gins, bebidas bem feitas com lima e gelo. Não era como no Expresso. Eram bebidas impecavelmente feitas, com lima, gelo, à manueira!

    O Paulo Portas também bebia?
    Não. O Paulo era só comprimidos. Fazia imensas directas e andava sempre de jeans. Não era nada betinho, apesar de não beber álcool. O Dinintel sim.

6 comentários :

Anónimo disse...

Quase chegaram a governar o país mas a justiça do tempo foi-lhes implacável.

mfc disse...

Olhó Paulinho!!

Quintanilha disse...

Paulo portas ainda continua com a moca!

Anónimo disse...

Então o gajo fomou (ou fuma) umas passas?

Anónimo disse...

É... fuma, fuma...

Anónimo disse...

Entrevista integral, aqui:
http://chovechove.blogspot.com/2008/11/miguel-esteves-cardoso-na-sbado-de.html