sexta-feira, novembro 28, 2014

Voltar à casa de partida… mas mais pobres

Hoje no Público

Quase três anos e meio depois de o Governo de Passos & Portas ter tomado posse, é possível fazer um balanço mais rigoroso da política de «ir além da troika». Os dados divulgados pelo INE sobre a evolução do PIB são elucidativos.

O frouxo crescimento registado no 3.º trimestre — em termos homólogos, um aumento de 1,1% — deve-se à decisão do Tribunal Constitucional de pôr um travão nas sucessivas doses de austeridade do Governo, o que permitiu uma aceleração da procura interna, sobretudo das despesas de consumo final das famílias. Simultaneamente, com o crescimento das importações, a procura externa líquida registou um contributo negativo para o PIB.

Foi sob o pretexto de que era imprescindível criar um modelo de crescimento assente nas exportações que o Governo arrasou a economia portuguesa. Passados três anos e meio, os ténues sinais são dados pela aceleração da procura interna. Ou seja, temos uma economia devastada, que parece saída de uma guerra civil, encontrando-se o país exactamente na casa de partida, mas muito mais pobre.

2 comentários :

Antonio Cristovao disse...

O estado a que as finanças publicas chegou merecia mais julgamento dos eleitores.Se não tem sido a ajuda da UE tinha sido um descalabro monumental.

Anónimo disse...

O meu comentário não tem que ver com o post, mas não resisto a inseri-lo.

Marinho Pinto que se cuide, vai ter um concorrente à altura!
Este penteadinho e aprumadinho, que dispara contra Sócrates, autarcas e políticos em geral (são todos corruptos, ninguém gosta de ser visto acompanhado por um político!), sem nada concretizar, anda a preparar-se para formar um novo partido – claro que será certamente um partido bem puro e limpinho, como o povo gosta!
E tem todas as honras da comunicação social.
Só esta semana, que eu tenha visto, apareceu em três ocasiões:

Segunda feira 24, no Prós e Contras da RTP

http://www.rtp.pt/play/p1627/pros-e-contras-xii
http://www.rtp.pt/play/p1627/e173679/rtp1


quarta 26, na Grande Entrevista da RTP-N

http://www.rtp.pt/play/p1439/e173930/grande-entrevista-2014

e finalmente hoje, no Jornal i

http://www.ionline.pt/artigos/portugal/paulo-morais-socrates-dos-principais-actores-na-triste-peca-da-corrupcao-portugal

E ninguém exige a este senhorito que apresente provas das acusações que faz?!
É com o silêncio sobre estas acusações que se defende o princípio da presunção da inocência?!
Ou temos que aceitar como bom o ditado do “quem cala consente”?