sexta-feira, novembro 07, 2008

Regresso ao PREC




Ficou célebre a greve do Governo desencadeada pelo Almirante Pinheiro de Azevedo em 1975. Na altura, o clima de agitação política pré-insurreccional explicava tudo.

O que ainda não se tinha visto em regime democrático estabilizado era a auto-suspensão de um órgão cujos membros foram eleitos pelo povo e o representam. Pois é, sucedeu agora exactamente na Madeira, chefiada por esse fenómeno de “apego” à democracia que se chama Alberto João Jardim.

Um deputado da oposição (de um pequeno e ignaro partido) desfraldou, como já aqui dei nota, uma bandeira nazi. Queria o deputado com esse gesto chamar a atenção para o autoritarismo e a prática ditatorial do PSD da Madeira.

O gesto foi de mau gosto e não prestigia a Assembleia Regional. Talvez seja uma injúria ou outro ilícito qualquer. Mas o que tem mesmo graça é que o PSD se encarregou de rapidamente mostrar a “razão” que assistia ao manifestante.

Contra a Constituição da República e contra a lei, o presidente da Assembleia Legislativa Regional, um homem da confiança de Alberto João, encarregou-se de suspender imediatamente o deputado ao abrigo (?) de uma norma regimental. A fundamentação foi risível: “Para grandes males, grandes remédios”, disse o preclaro presidente.

Depois de lhe cair o Carmo e a Trindade em cima, o presidente da Assembleia Legislativa Regional foi obrigado a recuar. Mas rapidamente encontrou a solução: suspendeu toda a Assembleia Regional, decisão acertada porque não se percebe para que serve a Assembleia Legislativa numa região em que só um homem manda em tudo.

Talvez o melhor fosse mesmo, na sequência deste golpe de Estado, plebiscitar o “Napoleão” da Madeira e acabar de vez com essas miudezas: nem Assembleia Legislativa, nem Governo, nem representante da República. Todo o poder (executivo, legislativo e histriónico) ao Dr. Alberto João Jardim. A bem da Região!

2 comentários :

Francisco Clamote disse...

Caro Miguel Abrantes:
Essa do "Napoleão" tem direitos de autor (http://terradosespantos.blogspot.com/2008/07/eu-que.html).Acrescento que cedidos graciosamente e de muito bom grado.
Cumprimentos

ze maria disse...

Miguel, Faço votos para que a Josefina não "tenha direitos de autor". Eu com o Jardim, já tenho dado boas gargalhadas, sobretudo quando ele dá aqueles espectáculos anuais no Chão da Lagoa, o que nunca me tinha passado pela ideia era rir à conta de "bloggers" sôfregos. Que viva a Madeira do nosso (des)contentamento...