segunda-feira, maio 30, 2011

Da tragédia grega à comédia do Parque Mayer

Sócrates mostra-se aberto ao diálogo e ao entendimento com os restantes partidos políticos. Passos Coelho recusa, querendo uma maioria absoluta para impor a mudança do regime económico com que sonha. Apesar das diferenças óbvias entre os dois países, o líder do PSD acenou hoje com o fantasma da Grécia para justificar a necessidade de uma maioria absoluta. Alguém pode explicar ao Dr. Passos Coelho que o problema político da Grécia não é a falta de uma maioria, mas a incapacidade de o Governo e a oposição estabelecerem entendimentos?

6 comentários :

gogol de kapote disse...

o problema da Grécia é fingirem que fazem mudanças quando na gordura estatal ninguém mexe

e basta uns 3000 estivadores entrarem em greve para paralisarem o país

isto faz-me lembrar quelque chose

se os judeus vêm aí trazer dinheiro a D.Manuel que venham depressa que o tempo urge

Passostrocados disse...

Todos os argumentos são bons desde que conduzam ao pote!
Os militantes e simpatizantes do PPD, ainda n interiorizaram que
o partido de Sá Carneiro já n existe.
Passos Coelho e quem ele representa, o poder economico e os media da comunicaçao social, tratou de transforma-lo no partido da direita radical.
Não são invenções nem dramatismos, é uma mudança ideologica de ruptura com a matriz social democrata de Sá Carneiro.
Hoje o PPD, dito pelo proprio PPC, é um partido neoliberal com tudo o que isso signica em termos económicos e sociais.
O PPD passou a ocupar a faixa mais a direita do espectro político portugues, alinhando no grupo mais conservador da Europa

simon disse...

A Grécia tem sorte, muito provavelmente ainda se safa, se não tem lá nenhum sókas, despesista, amigo dos boys, intriguista.
Agora nós, que a virgem santa nos livre.

Quem vos viu... disse...

Agora os corporativos mendigam um Bloco Central.
Longe vão os tempos da arrogância da maioria absoluta.
Aí ninguém vos via pedir acordos...

a.marques disse...

CONSULTÓRIO CAMARÁRIO

-Passos Coelho: Ao natural sem borbulhas
-Jerónimo de Sousa: Tão natural como a sua sêde
-Francisco Louçã: É mesmo assim, naturalmente
-Paulo Portas: A natureza de brincar ás escondidas
-José Sócrates: A poluição por natureza
-Comunicação social: Natura poluída pelo verniz da rosa

»Receitas não comparticipadas.

Anónimo disse...

Comunicação social, poluida pelo verniz rosa?! AHAHAHAHAHAHAHAHAH
Pois o colinho com que carregam Passinhos ainda não chega?! Querem mais?!Mas que grandes brincalhões...