domingo, janeiro 06, 2013

O cão que guia o cego

O Expresso publicou ontem um artigo intitulado “Os bastidores do Governo” e mais umas tantas notas que mostram a agonia da coligação de direita. Vale a pena reflectir sobre o que o semanário conta.

O ambiente na sede do Governo é de fazer inveja a qualquer melómano. Com a aproximação do pôr do Sol, São Bento transforma-se na Wiener Staatsoper, com as reuniões marcadas pelo Barbeiro de Sevilha (“reuniões com ópera”). O alegado primeiro-ministro fala diariamente com Vítor Gaspar e Carlos Moedas, tratado no seio do Governo por “o grilo falante da troika”. Mas a gestão do dia-a-dia é feita com o ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentares, sendo que as conversas entre Passos e o Dr. Relvas “não têm conta”.

Ao contrário do que se poderia supor, o Dr. Relvas é pouco interventivo nos conselhos de ministros e reserva-se para alertas políticos (“isso vai ser chato…”). As reuniões de quinta-feira caracterizam-se pela acção predatória do ministro das Finanças: “Gaspar junta à inflexibilidade técnica e ao tom de mestre-escola um sentido de humor por vezes negro — ou arrogante”. A verdade é que «Passos não contraria Gaspar. Pelo contrário, são referidas as suas alusões ao que pensa o ministro como uma espécie de reverência — “O Vítor diz que…”, “o Vítor acha”, “o Vítor pensa…”.» O ascendente de Gaspar sobre Passos é comparado no CDS com “o cão que guia o cego”.

São descritas várias outras situações que põem em evidência a atmosfera saudável que se vive no seio do Governo — e em particular nos conselhos de ministros. Por exemplo: «Volta e meia, há três que saem para fumar — Paula, Portas e Miguel Macedo. E lá vêm as 'bocas' sobre fugas de informação... Quem estiver com atenção percebe que há vigilâncias mútuas. Relvas telefona muitas vezes, quase todos os dias, a Portas e a Gaspar, para confirmar se está tudo bem. Não vá o Diabo tecê-las.»

Paulo Portas já foi uma presença mais assídua em São Bento: “Portas não acha Passos brilhante. Passos não confia em Portas”. Agora, há na “cúpula do CDS” quem conte com Cavaco para dominar o demónio: “a substituição de Vítor Gaspar.

E depois quem conduziria o cego?

4 comentários :

Anónimo disse...

Isto ainda acaba tudo numa encenação do La Feria. Uma opera bufa (!). E lá se cumpre a vocação do Pedro, tadito.

josé neves disse...

Mas o grande problema é que com Cavaco o caso é parecido senão semelhnte: tmbém em Belém há gente a guiar o cego, ou melhor, o que sendo desconfiado é facilmente manobrável como um quase cego.
Este tipo de gente sem qualidades e incompetente deixa-se facilmente obsecar e ofuscar por alguém que tenha uma explicação doutoral-oportunista-expedita sobre toda questão, mesmo que tal explicação seja um absurdo em termos práticos.
Em pouco tempo tal persona arguto-visionário-trapaceiro ganha um ascendente total e um poder de decisão manipulador sobre o outro transformado em palerma coitadinho.
A partir de certa altura basta sugerir uma opinião e fazer que, junto dos outros, seja o manipulado a apresentar a opinião ou ideia como sua.
No "yes minister" esse tipo de manipulação política é bem patente, contudo, no "Criado" de Loosey a total manipulação e domínio psicológico leva o outro à subserviência decadente.

Antonio Correia disse...

É preciso ter muita lata e falta de respeito a todos os Portugueses para sequer abrir a boca.

Xuxalistas de merda que conduziram o país a este estado.

Anónimo disse...

ao ver aqui alguns idiotas a vomitar a sua verve destituída de conteúdo, dá a sensação que o país começou um dia destes! Mas este laranjal de merda, que sempre, mas sempre, sugou o país, não se enxerga?!