quinta-feira, julho 26, 2007

O homem que pensa que continua na TSF…




No intervalo dos noticiários, a minha estação era a Antena 2 — até me terem pregado uma partida. Em lugar de música, oferecem-me a voz do locutor Paulo Alves Guerra, que gosta imenso de falar e, ainda mais, de se ouvir.

Passei pelo site do Provedor do Ouvinte da rádio pública para tirar a limpo se era o único que estranhava o estilo do programa da manhã. Pude comprovar que o “Império dos Sentidos”, apresentado pelo tal Paulo Alves Guerra, suscita inúmeras críticas, que, de resto, são em volume muito mais significativo do que as reacções daqueles que preferem a voz do locutor a ouvir música. Mas o facto é que o sujeito persiste em fazer “serviço público” à moda de si próprio, sem querer saber do que exigem os ouvintes…

Há duas ou três semanas, num dossier muito bem preparado, recorrendo à intervenção de especialistas e investigadores, José Nuno Martins, o provedor — fazendo eco dos crescentes protestos que diz receber — pôs a nu o excesso de verborreia do Senhor Guerra, newcomer na RDP, aonde chegou às pressas e ficou, aliás, logo muitíssimo bem sentado nas mordomias que a emissora que liga Portugal costuma dar de prémio a todos os recém-chegados da TSF e da rádio patriarcal.

Apesar de considerar que Paulo Guerra é um “utilizador diferenciado e conhecedor da Língua Portuguesa”, o provedor afirmava:

    Dou como exemplo um delicioso momento em que, na 2ª hora do Programa, na sexta-feira, 20 de Abril, numa conversa em Estúdio com o Pianista Jorge Moyano e num sintagama de escassos 4 minutos e 18 segundos, Paulo fala durante 1 minuto e 34 e Jorge Moyano responde em 2 minutos e 44.

    Ora, sendo certo que durante uma conversa em Rádio seja conveniente identificar com alguma frequência, o nome do Convidado, nessa sua parte da conversa, ou seja durante 1 minuto e 34 segundos, Paulo Guerra diz por 16 vezes o nome do Pianista… Aos 36 segundos, sem que este tivesse ainda aberto a boca, já o Paulo tinha dito por 6 vezes Jorge Moyano, 2 das quais invocando-o em vocativo…

    Esse é, por exemplo, um modelo habitual em Paulo Guerra, que não agrada nada a Ouvintes. Porque introduz um registo de ansiedade e frenesi que contribui para a formação da ideia de excesso, muito presente nas queixas de Ouvintes.

E de modo a que se perceba melhor o frenesi informativo introduzido pelos TSFs, numa rádio que não foi certamente feita para a conversa, não resisto a transcrever a recomendação final que o respeitado José Nuno Martins (simplesmente o melhor comunicador da rádio) produziu no final desse mesmo programa “Em Nome do Ouvinte”, que costuma ir para o ar na Antena 1 (sextas-feiras, às 4 da tarde, e sábados, às 13h), sendo repetido na Antena 2 (aos domingos, depois das 5 e meia da tarde), cujos scripts — autênticas lições de comunicação na rádio — se podem ler no site:

    Tudo o que ouvimos ao longo destas 4 edições de “Em Nome do Ouvinte”, acerca do Programa da Manhã da ANTENA 2, aponta para uma situação de desajustamento entre o que poderá ser uma esforçadíssima proposta da Estação e o que parece ser a razoabilidade dos protestos dos Ouvintes.

    O problema residirá talvez na atitude genuína, embora excessivamente generosa, dos Radialistas.

    Designadamente por parte do Jornalista João Almeida – Director-adjunto responsável executivo pela Programação da DOIS, e do Jornalista Paulo Alves Guerra, Autor e Apresentador do Programa e ainda Chefe do Serviço de Programas Culturais na RDP.

    A condição de Jornalistas de ambos, sem prática específica no campo da gestão de conteúdos na Rádio privada, de onde são oriundos, nem qualquer experiência anterior no Serviço Público, puxa-os naturalmente para uma redutora visão jornalística do que seja a Rádio.

    Adjacentemente, a longa experiência privada de ambos, habilita-os com uma sólida atitude combativa e de ataque de mercado: o “Império dos Sentidos” fazia-se em Abril, com uma média superior a 18 blocos temáticos diversos, por cada hora de emissão…

    Os resultados são naturais e estão á vista: quer no plano do crescimento de audiências, quer no plano do descontentamento do universo tradicional dos Ouvintes da ANTENA 2.

    Crescimento de audiências, inevitável porque se alargaram amplamente os critérios de oferta, com a introdução sistemática de novos campos musicais na DOIS.

    E no entanto, talvez que, no plano do cosmopolitismo a que insiste referir-se João Almeida, esses novos critérios porventura continuem a fazer muito mais falta, por exemplo, aos ouvidos dos Públicos da ANTENA 3, do que, aos Ouvintes (já suficientemente despertos para todas as diversidades do Mundo) e que, apesar dos pesares, constituirão sempre, a maioritária minoria de Ouvintes da ANTENA 2.

    Crescimento de audiências, em resumo, porque, ao contrário de preservar uma estética radiofónica caracterizadamente sua, a ANTENA 2 aposta agora em exemplos como o “Império dos Sentidos”.

    Opta, pela estética dominante, da ansiedade e da tensão informativa, das conversas deslumbradas em linguagem familiar, dos cartazes de espectáculos ou das revistas da Imprensa, temas todos prevalecentes e comuns em todas as Rádios - privadas, públicas, nacionais, regionais e locais.

    Assim – claro que as audiências da ANTENA 2 teriam de crescer … Mas, será esse o mais adequado objectivo para a Estação, perguntam os Ouvintes-cidadãos…
    Finalmente, em vista do que aqui terá ouvido, ao longo destas 4 semanas, o Autor e Apresentador do “Império”, deve repensar o seu estilo e, porventura deixar ouvir um pouco mais de Música.

    E já agora, que o Paulo Alves Guerra não deixe também de ir dando as horas, de vez em quando…

    São pequenas informações, afinal muito úteis para os Ouvintes da ANTENA 2, que são – não haja dúvida - pessoas cosmopolitas e trabalham nas cidades. E que às vezes o ouvem, apressadas, a caminho do emprego…

Este sábio texto de José Nuno Martins já foi publicado há umas semanas e só peca por estar desactualizado… Paulo Alves Guerra lá continua a perorar todos os dias, muito mais do que a nossa paciência o consegue aturar, convencido de que é um “verdadeiro artista da rádio” — enquanto não o mandarem calar. Ou enquanto não prevalecer o bom-senso (e o bom gosto) do provedor.

E se calhar é por isso que me dizem da MARKTEST que as fracas audiências dos três canais nacionais da Radiodifusão pública, que é paga pelos ouvintes, voltaram a sofrer outro enorme trambolhão. Almerindo Marques estará atento ao que diz o provedor?

12 comentários :

acordado disse...

Enviar a dona Margarida + o seu bufo de estimação para a Antena 2, provoca-se o incontinente verbal, ele passa-se dos carretos, destrata a mãe do Miguel Abrantes, condena-se o dito cujo, instaura-se-lhe um processo disciplinar, é posto na rua...

O que é que correu mal ?

Deveria ter destratado a mãe do Primeiro e não a do Miguel Abrantes...

Bem feito ! Quem o mandou ser estúpido ???

ainda acordado disse...

E tem mais uma questão:

Como é que você teve acesso ao "dossier" elaborado pelo Provedor ?

E com que direito o publicita no blog ?

Será que não está a "pisar um risco" qualquer ?

Não ?

Nem mesmo o da boa educação ou cortesia ?

Não gosta do personagem (ou do seu desempenho) e depois ?

Já se interrogou sobre quantos não o apreciam a si ou a sua postura ?

Deve achar-se o padrão da estética e do bom-gosto...

Só pode ser !

Anónimo disse...

Heróis cívicos
Um dos efeitos colaterais mais nocivos do disparatado processo disciplinar da DREN por injúria ao Primeiro-Ministro -- processo que a Ministra teve o bom senso de mandar arquivar -- foi transformar em vítima de "perseguição política" um daqueles "professores-aparatchik" que, mediante requisições ou destacamentos de favor partidário, deixaram as escolas e o ensino para se alojarem em confortáveis sinecuras nas direcções regionais e noutros serviços do Ministério da Educação.
Assim se fazem "heróis cívicos" entre nós!

Anónimo disse...

ò Miguel, tenho barafustado com o serviço que a CS do estado presta ao "duplicado" contribuinte - mormente a RTP que é um autentico asilo, a começar pelo Malato com os seus concursos para "ursos" - com a cereja no bolo que foi aquele apuramento de quem foi o melhor Portugues uma copia inglesa - e eu a pensar que estando 3 anos com baixa que a dita estivesse paralitica, então não é que a "mumia" foi curar a doença dos ossos para Londres, com cama mesa e roupa lavada, paga com os nossos impostos - este modelo da RTP foi entregue de mão beijada ao Oliveira - quanto á RDP tive a oportunidade de dizer o JNuno Martins no estadio donde vamos que a Estação so passa musica Brasileira, hoje não tanto, ate se fica com ideia que a promoção da musica Brasileira, deixa algum..gostava de ouvir musica portuguesa, a "nossa" musica Portuguesa, temos coisa lindas qu não passam´á anos ...Vou levar com o Jorge Coroado n«mais 20 anos como foi com o Alder dante? há que rodar e dar a oportunidade a outros ex arbitros - a Verdade é que ja hoje ouço musica portuguesa .. uns fadinhos que coisa linda..desculpem lá,, entre a Marisa Monte e a nossa Marisa, prefiro a nossa---não me vendam mais musica brasileira...não sou comprador - o Jose Nuno esta a fazer um bom trabalho assim fizesse o Paquete.

É muito bem metido este post

Ze Bone

Anónimo disse...

O acordado estará ainda acordado a estas horas? Ó criatura, vá descansar de vez...


Subscrevo inteiramente este artigo.


É uma indecência o que estão a fazer com as manhãs (e não só) da Antena 2. O Guerra é uma voz absolutamente insuportável naquela estação!


Dstó!!

quase adormecido disse...

..."O acordado estará ainda acordado a estas horas? Ó criatura, vá descansar de vez..."

Caro,

Aceito o seu veredicto sem + objecções.

Não sei porquê, mas parece-me que posso confiar no seu critério...

Vou dormir !

Anónimo disse...

tinha isto em arquivo a algum tempo e vem a proposito

http://nossaradio.blogspot.com/
Posso pedir um disco? - queria ouvir Francisco Jose "Teus olhois castanhos"


Ze Bone

Anónimo disse...

Ao fim de 1 ano que ando á "cata" de musica portuguesa - Quem não se lembra do grande Toni de Matos, do Carlos Ramos e de grande outros cantores que encheram a radio...quando quiser ouvir musica brasileira vou para o Rio de Janeiro de preferencia á borla.

O Meu blog "Quando o Telefone Toca," em homenagem ao David Nunes - quem não se lembra deste grande programa

o Jaiminho que va dar uma grande curva

Ze Bone

cínico disse...

Narcísico e irritante esse Paulo Guerra.

Miguel Abrantes disse...

Caro "ainda acordado":

Siga os links e também chega aos dossiers do provedor citados por mim.

ainda acordado disse...

Miguel Abrantes,

Aqui, o meu pedido de desculpas pela suspeita infundada e, também, por alguma "linguagem" mais incisiva.

Miguel Abrantes disse...

Caro "ainda acordado":

A blogosfera tem mais graça assim...