quinta-feira, Dezembro 16, 2010

O 'estranho' caso do 'El Pais' e dos voos de Guantanamo

Desta vez, o El Pais até publica os telegramas Wikileaks em que baseia a sua notícia sobre os alegados voos de Guantanamo com passagem por Portugal
Mas - como sempre tem feito em relação a este caso - o jornal madrileno recusa-se sequer a ouvir o que têm os governantes portugueses a dizer sobre o assunto (ou, se ouve, não publica).
"Ouvir as partes", coisa básica do jornalismo, é coisa que o El Pais não tem feito. E nem sequer teria que se dar ao trabalho, já que lhe bastava dar eco das tomadas de posição públicos de, por exemplo, Luís Amado.

Mas vejamos o essencial da "novidade" de hoje.

O El Pais garante, em título, que "Sócrates aprovou em segredo os voos a partir de Guantanamo". E escreve, no texto, que tal autorização seria feita "caso por caso en determinadas circunstancias".

Ora esta "novidade" é perfeitamente consistente com o que já se sabia sobre o caso. Por exemplo, logo no primeiro telegrama conhecido sobre o assunto: Portugal exigia que se cumprisse a lei.

Como o MNE Luís Amado tem vindo pacientemente a explicar, houve contactos e houve a disponibilidade condicionada de Portugal. Provavelmente devido às condições colocadas por Lisboa, acabou por nunca haver qualquer pedido formal e, logo, não houve qualquer voo. Note-se que nestas declarações, de dia 13, Amado até clarifica a questão do "segredo" que o El Pais tanto valoriza na sua edição de hoje, 16...

Se o El Pais quisesse fazer jornalismo - e não apenas atirar lama sobre Portugal (conferir aqui e aqui) - era esta a história que contaria.
Assim não é. Obviamente, os idiotas indígenas aproveitam a boleia [aqui, aqui, aqui, aqui...]. Já quanto aos media nacionais - e recorrendo a um animal muito na moda - parecem galinhas às quais cortaram a cabeça e que correm desnorteadas. Uma tristeza...

9 comentários :

Anónimo disse...

mas os voos eram para efeitos de repatriamento? eu não estou a perceber nada disto. alguém explica o que significa, neste caso, repatriamento? eram os voos ao contrário? eram aviões com prisioneiros que iriam ser repatriados? não percebo.

Anónimo disse...

O desespero não é bom conselheiro! Só falta dizer que o El País é um jornal da direita a soldo do PSD... Habituem-se!

Ana Cristina Leonardo disse...

os idiotas, neste caso, leram o que vem no telegrama, preto no branco. Mas parece, de facto, que anda para aí uma nova campanha negra, desta vez movida pela embaixada americana, contra aquele cujo nome não se pode pronunciar

João Magalhães disse...

Ana Cristina Leonardo,
se tivesse lido o que está, de facto, nos telegramas, não viria para aqui fazer essas figuras tristes.

Ze Maria disse...

Os vôos a que o "El Pais" se refere eram DE Guantanamo e não PARA Guantanamo. Os vôs PARA já tinham sido objecto de um inquérito no parlamento europeu onde a palavrosa Ana Gomes não desperdiçou a oportunidade de obter o costumeiro protagonismo patético e em que nada se provou. Comparar realidades distintas interessa, como sempre, aos desonestos políticos do costume.
Só uma pergunta a finalizar: Quem foi o governante anfitrião de uma VERGONHA chamada encontro das Lajes e que antecedeu a guerra do Iraque? Ah pois....

Anónimo disse...

afinal a guantanamera era um rottweiler, ainda há homens sinceros como no tempo de marti.

Ana Cristina Leonardo disse...

Tristes?! Homessa! E logo hoje que acordei bem disposta apesar do frio.
Já agora: qual é a parte do telegrama que o meu inglês foi incapaz de entender? Explique-me, sff, como se eu fosse muito idiota.

João Magalhães disse...

Ana Cristina
Já somos dois, sendo que eu, normalmente, acordo bem disposto.

Anónimo disse...

O delicioso disto tudo é ver o representante do BE e do PCP a dizer na TV que o embaixador americano se disse é porque é verdade e que o governo português tem que responder...
Ah, as saudades do tio Enver Hoxa e do tio Staline. Esses sim tratavam-lhes da saude e não wikis para ninguém, não é?
Mas ver aqueles dois a dizer bem dos americanos é de chorar a rir...