terça-feira, Abril 10, 2012

E o Império do Meio aqui tão perto

    Os trabalhadores chineses têm apenas 5 a 15 dias de férias pagas por ano, o que é menos de metade do que nos países europeus” e “estão dispostos a trabalhar dia e noite”.

O Álvaro tem aqui uma fonte de inspiração inesgotável. E pode ir sabendo na Rua Soeiro Pereira Gomes como é que o partido irmão do PCP consegue esta proeza no Império do Meio.

4 comentários :

Anónimo disse...

pasmado fiquei quando li que Campos e Cunha se vangloriza de ter sido ele o mentor da meia-hora adicional que o Alvaro fez aprovar.
Manuel

O Bom Aluno Chinês disse...

pOIS! A fome é tanta que a INDIGNIDADE CHEGA A ESTES EXTREMOS : TRABALHAM POR UMA CÔDEA OU GRÃO DE ARROZ.

Fernando Romano disse...

Ao que o ministro-adjunto chinês disse sobre as vantagens que oferecem os trabalhadores chineses, há ainda o de "beneficiarem" de uma hora de televisão se forem condenados à morte.

E foi a este Estado, a China, que este governo vendeu um

"bem comum cultural" da nossa pátria.

E o que são BENS COMUNS DA CULTURA de um país?

O filósofo Stavoj ZIZEC defini-os assim no seu livro "Da Tragédia à Farsa"-ed. R. de Água:

São "As formas imediatamente socializadas de capital «cognitivo», entre os quais se encontram fundamentalmente a linguagem, os nossos meios de comunicação e educação, mas também as infraestruturas partilhadas dos transportes públicos, da ENERGIA ELÉCTRICA, do sistema dos correios" e assim por diante", como a Água.

Ainda do mesmo livro:

"Hardt e Negri chamam a estes e outros comuns, a substância partilhada da nossa existência social, e cuja privatização implica actos de violência, aos quais, quando necessário, teremos de resistir recorrendo a meios violentos".

Porque os venderam então ao Estado Chinês?

Porque estes farsolas temem uma União Europeia política, cada vez mais aprofundada, quiça federalizada. Esta também uma das várias razões porque vetaram o PEC IV. A principal foi para chegarem ao Pote, como bem os avisou o chefe dos bandos regionalistas, nalguns casos autênticos gangues, chefiados por Marco António e LFMenezes,conhecidos iberistas (Portugal não é Ibéria, os lusitanos não eram iberos) e adeptos de uma Portugaliza, decididos a vender Portugal a retalho, com a cumplicidade de muitos outros que andam por aí..., mais próximos do que querem deixar parecer.

Rosa disse...

Gostei muito do seu comentário, Fernando Romano...
Muito bem fundamentado e com conclusões muito prováveis de serem verdadeiras...e preocupantes...
Mas temos de estar preparados para tudo e tentar desmontar estes jogos tenebrosos do actual poder...poder-nos-á ser muito útil, no futuro...