quinta-feira, novembro 14, 2013

Central de contra-informação:
vida e obra dos “blogueres «da corda»”


Uma amiga enviou-me esta manhã a entrevista que Fernando Moreira de Sá dá à Visão. Dois outros amigos enviaram-me mensagens a chamar a atenção para a entrevista, embora tivessem acrescentado não terem tido paciência para a ler até ao fim. Acho que a entrevista merece ser lida, até porque, se ele tivesse dois dedos de testa, não a teria dado.

Sá conta-nos o que aconteceu após ter mergulhado de cabeça no projecto para a tomada de poder de Passos Coelho, engrossando a legião de “voluntários” que chapinha(ra)m nas redes sociais.

Que diz ele para ter deixado Pacheco Pereira aos pulinhos logo pela manhã num post escrito a dois tempos (primeiro, realçando as artimanhas da trupe de Passos Coelho e, mais tarde, juntando um período ao post para procurar enfiar o CC no mesmo saco)?

Abdicando de comentar os delírios de Sá, que chega a pôr este escriba a laurear nas expedições oficiais ao estrangeiro, nem perdendo tempo a repudiar a inefável declaração de que os simpatizantes dos vários partidos são todos iguais, fica-se a saber que Passos Coelho, com o apoio do Dr. Relvas, montou uma gigantesca máquina de contra-informação para varrer as redes sociais de lés-a-lés com o intuito único de desqualificar os adversários políticos (Manuela Ferreira Leite, Paulo Rangel e José Sócrates).

Eis Moreira de Sá em discurso directo:
    1. Quem definiu a estratégia da contra-informação?
    “Não posso provar, mas desconfio que o mentor foi Miguel Relvas e tiro-lhe o chapéu. (…)”

    2. Em que consistia a contra-informação?
    “(…) Havia voluntários a defender as posições do Passos, mas sobretudo a atacar o Governo PS, no Fórum da TSF, na Antena Aberta, da RDP, e nos debates dos canais por cabo. Alargou-se a influência mediática. (…)”

    3. Os fóruns da rádio e da televisão eram facilmente manipuláveis?
    “Completamente. Se for preciso, provo. (…) Em 2011, o Sócrates foi ao Fórum da TSF. Decidimos entalá-lo e descredibilizar a coisa, exagerando nos elogios. Deu um bruaá enorme. O diretor da TSF teve de explicar-se por causa das críticas dos ouvintes, que consideraram aquilo uma coisa do tipo Deus no céu e Sócrates na terra. Deu-nos um gozo tremendo!”

    4. Quem dirigia a central de contra-informação?
    “Não vou dizer. (…) por trás disto tinha de estar Miguel Relvas, um visionário quanto à importância das redes sociais para levar o Passos aonde chegou. Não éramos anjinhos. Sabíamos bem ao que íamos.”

    5. Como funcionava a central de contra-informação?
    “Por exemplo: existia um mail acessível a um grupo fechado, através do qual recebíamos informações, linhas gerais, provenientes de quem estava a preparar o programa do Passos. No início, nem sabíamos quantos éramos. Cada um desenvolvia aquilo, nas redes sociais e na blogosfera, à sua maneira. Utilizávamos isso no Fórum da TSF, no Parlamento Global, da SIC, no Twitter, etc. No último confronto televisivo entre os três candidatos à liderança [Passos, Aguiar Branco e Rangel], condicionámos o debate. Só eu tinha três computadores à minha frente, em casa, além do telemóvel. Antes do debate, já tínhamos tweets preparados para complicar a vida ao Rangel. Nos primeiros minutos, começámos a «tuitar» como se não houvesse amanhã, dizendo que o Rangel estava nervoso e mais fraco do que o esperado. Criou-se um ambiente negativo que se propagou rapidamente. Ao fim de cinco minutos, ríamos até às lágrimas! Até opinion makers repetiam o que dizíamos! E o debate tinha apenas começado...”

    6. O mail «fechado» manteve-se nas eleições legislativas?
    “Sim. Com mais força e mais filet-mignon informativo.”

    7. Como faziam a campanha suja (designadamente do caso Freeport) contra Sócrates?
    A contra-informação era a praia do grupo [de Passos Coelho] à volta de Sócrates. Tínhamos nick names para as redes sociais, perfis falsos no Facebook e por aí adiante, mas éramos uns meninos do coro comparados com os tipos dele. Não há virgens nisto: em qualquer campanha eleitoral, existem centenas de perfis falsos, mas perfis com «vida», que incluem fotografias de «família», «clube de futebol», «gostos», etc. O segredo é ir pedindo «amizade» a pessoas da política e alargar os círculos de «amigos». Se deixarmos uma informação sobre o caso Freeport num perfil falso e ele for sendo partilhado, daqui a pouco já estão pessoas reais a fazer daquilo uma coisa do outro mundo.

    8. A central de contra-informação passou-se para o Governo após Passos se ter alçado a São Bento?
    “Álvaro Santos Pereira, do Desmitos, foi para ministro da Economia; Carlos Sá Carneiro entrou para adjunto do primeiro-ministro; Pedro Correia foi para o gabinete do Relvas; Luís Naves também, mais tarde; João Villalobos para a secretaria de Estado da Cultura; Carlos Abreu Amorim para deputado e vice-presidente do grupo parlamentar; António Figueira, do Cinco Dias, e de esquerda, foi trabalhar com o Relvas; Francisco Almeida Leite para o Instituto Camões; Vasco Campilho foi para algo ligado aos Negócios Estrangeiros; José Aguiar para o AICEP; Pedro Froufe para a comissão de extinção das freguesias; o CDS também recrutou no 31 da Armada. Houve outros. Só em ministros, secretários de Estado e assessores foi uma razia em blogues como o Albergue Espanhol, o 31 da Armada, Delito de Opinião, O Insurgente, o Blasfémias, etc.”

    9. O «cérebro» Relvas não tentou atenuar esta deserção de bloggers para o Governo?
    “Sim, ainda fui a um encontro de blogueres «da corda», na Presidência do Conselho de Ministros. (…) Mas continuava a haver um grupo disponível, ainda que amputado, para adoçar as medidas más, nas redes sociais e nos blogues, desde que a informação fosse enviada com antecedência. (…)”

Agora, caro leitor, tire as suas conclusões sobre os meios usados por estas canalhas para se alçarem ao poder.

19 comentários :

Anónimo disse...

BANDIDOS!

nanda disse...

Política de esgoto!

Anónimo disse...

gente porca porca porca.
merecem um calhau do espaço em cima das cabeças imundas.
um calhau mal cheiroso.

jose neves disse...

Política de esgoto e também da cloaca de PP.
Porque este blogueiro, individualmente concedo, foi colaborador activo dos blogueiros conspirativos associados. E foi-o sempre intelectualmente desonesto, como é agora, equiparando, ou pior tratando o CC como o modelo dos bçlogues conspirativos.
E a grande desonestidade de PP está em que, tendo à mão provas de que blogueiros de um lado se associaram para conspirar, vem logo afirmar que do outro lado se fez o mesmo sem que hajam ou ele tenha quaisquer provas disso.
PP traz este governo que ajudou a ir ao pote atravessado no sono. Quando o critica elogia necessáriamente, por contraponto, o governo anterior e ao querer sacudir de si tal contradição salta da pena a inevitável frase inscrita equiparando alhos com bugalhos.
Enfim, PP tal como a Manela andam à deriva e embora a publicidade informe que há linhas para tudo, eles andam à procura da sua.
ção a de sua falai faz sempre equiparações como

Anónimo disse...

Isto não é novidade. Como é que estes energumeos chegavam ao poder não sendo por estes métodos.

O que mais revolta é como os cidadãos se deixam tão facilmente enganar pela aurora laranja.

Anónimo disse...

Bandidos! Esse José Aguiar da noticia, ex-assessor de Santana Lopes, foi chefe de gabinete e braço direito do Pedro Reis (outro boy)no AICEP e agora é, vejam só, adjunto do Ministro Pires de Lima....

Anónimo disse...

E não falaram do melhor, mais cinico e cara de tacho deles todos: o joão pequenino....

Anónimo disse...

É preciso dar tempo ao tempo para ir descobrindo, aos poucos, todas as artimanhas sujas, todos os golpes baixos, todas as campanhas de asssassínio de carácter.
Falta ainda conhecer os meandros do famoso site - agora extinto - "O Povo é Que Paga", abjecto espaço do mais rasteiro populismo e da mais suja demagogia.

Anónimo disse...

Depois dizem que é a teoria da conspiração!

Anónimo disse...

Estamos na época das castanhas, por isso não é de admirar que só agora estejam a rebentar.
De admirar é que só agora se tenham dado a perceber o que se estava a passar.
De recordar que quando o Sr. Relvas se demitiu, disse que ao fim de 2 anos de governo tinham sido 5 anos de grande trabalho......
Basta não andar distraído, por exemplo com a central de frete de informação das segundas feiras à noite da RTP1 da "querida Fátima".
Ou já se esqueceram de tudo quanto era opinion makers a começar pelo Catroga Medina Carreira e muitos mais com tempo de antena necessário para passarem a "mensagem" ?
Assim se levou o Zé Povo para o abismo desta canalha com o apoio da "informação"
Aeme

JPM disse...

A DECO devia intervir no PSD para retirar o SD por publicidade enganosa;

A ASAE para retirar o P por actividade ilícita

manuel leitao disse...

Só demostra a merda de políticos a que estamos entregues, isto é uma autentica estrumeira....

infinitozero disse...

LOL

Evaristo Ferreira disse...

Eu já desconfiava, mas quando vi o blasfemo CAA junto com o Relvas,
tornou-se clara a marosca. Esta canalha, que se dizia ser "gente honrada, cumpridora da palavra dada" juntou-se em bando para ir ao "pote". Mas a voracidade dos dias acaba sempre por trazer à tona de água a verdade dos factos.
Esta cambada começa a ser desmascarada.

António disse...

Depois de vermos o nojo que são estes comentadores/jornalistas, nem vomitando limpamos as entranhas...

aafonso disse...

Isto é Máfia autêntica Qual Máfia italiana, qual quê!!! Mas o pior, é que a máfia continua no seu "trabalhinho" levando aos poucos o país ao charco e ninguém faz nada!!! O Aníbal, outro da quadrilha assiste e bate palmas!... Até quando???

José Gonçalves disse...

O sr. Miguel Relvas, ex.doutor, pelos vistos era muito aventureiro e nada lhe metia medo. Ao contrário, agora, ainda tem à custa dos contribuintes portugueses, polícia à porta do seu prédio na R. da Junqueira em Lisboa. Para este sr. não há corte de verbas na polícia?

Rosa disse...



E, depois, mandam fazer provas extras aos professores...

Dylan disse...

Este poderá vir a ser o novo Julian Assange português. Cuidado com o homem, ele quer protagonismo!