domingo, junho 15, 2014

Da «liderança baça de Seguro» à «esperança na política»

• Daniel Sampaio, Costa: A renovada esperança:
    «Eu também quero escrever sobre António Costa. Sem qualquer ambição política ou necessidade de notoriedade, pretendo apenas dizer que senti um apelo a que não posso ficar indiferente: Costa devolveu-me a esperança na política e a crença de que vale a pena confiar num futuro melhor.

    Costa significa para mim um renovado interesse pela política e a expectativa de que não estaremos condenados, nos próximos quatro anos, a suportar, por mais tempo, a apagada tristeza em que vivemos.

    (…)

    A liderança baça de Seguro nem sequer entusiasma os mais próximos. Quando alguém diz que se teve de anular três anos para garantir a unidade interna define-se, a si próprio, como um líder incapaz de unir através de um projecto mobilizador, que juntasse à sua volta um significativo número de cidadãos. A sua estratégia de transformar as eleições europeias numa espécie de antecâmara do triunfo nas legislativas resultou num fracasso: a vitória foi magra, das 80 medidas ninguém é capaz de citar mais de duas ou três, a sua pretendida pretensão de ser já considerado o futuro primeiro-ministro não passou de um desejo partilhado por poucos. As suas frases actuais, proferidas num tom pretensamente firme e audaz, estão tanto ao arrepio do seu comportamento habitual que soam a encenação mediática de segunda. Durante três anos, apregoou a importância do crescimento sem nunca explicar como fazer, prometeu não aumentar impostos mas ninguém acreditou, rodeou-se de colaboradores cinzentos de que não conseguimos fixar um nome. No limite, parece alguém a quem se pediu para desempenhar o papel de protagonista numa peça de prestígio, mas que se mostra apenas capaz de ser actor secundário num teatro de província. (…)»

9 comentários :

lidiasantos almeida sousa disse...

GRANDE PROFESSOR DANIEL SAMPAIO, SE FOSSE DO GLORIOSO ERA O HOMEM PERFEITO EM TODA A SUA PLENITUDE, QUER SER O MEU PATRONO PARA EU SER MILITANTE DO PS? VEJA QUE ATÉ HOJE NUNCA FUI SÓCIA DE NADA, PORQUE ABOMINO AS REGRAS DA OBEDIÊNCIA, MAS SERÁ UM SACRIFICIO QUE FAREI PELO PAÍS PARA VARRER UMA ALFORRECA (PASSOS) E IMPEDIR O SEU ALIADO A ANÊMONA INseguro, de ainda piorar a situação do País. António Costa o melhor curriculum pessoal e político, para discutir na UE a nossa situação, porque o tratado orçamental é mortífero, e o IN seguro nunca o deveria ter assinado, sem consultar pelo menos os militantes, que não é o meu caso. Se o Professor não puder ser o mau patrono peço a alguém que me patrocine, pois vivo em Lisboa na Freguesia de São Jorge de Arroios e conheço poucas pessoas do PS que me diga. Não há direitos de transferência porque nunca fui alinhada

Lince Vigilante disse...

Em cheio, no alvo! Subscrevo tudo quanto diz Daniel Sampaio. Aí está o resultado da brilhante estratégia do pS (pobre Seguro): depois de devastar o País e os ânimos dos cidadãos, esta direita brutal e boçal,verdadeiramente antidemocrática nas palavras e nas obras, tem a desfaçatez de ir adiantando que pode ganhar as próximas eleições legislativas... E pode! Bastará que, por qualquer retorcida batota, o pobre diabo consiga manter-se alapado à liderança do grande partido que é (apesar de tudo) o PS... Este homem, que é um logro, uma fraude e um fatal atraso de vida, tem de ser arredado (democraticamente, é óbvio) o mais rapidamente que for possível! 28 de Setembro? Estará tudo doido? Ou terá Seguro em mente, cumpliciado com os tristes que (ainda) o apoiam, um último jeito à gente sinistra que nos desgoverna?!?

Anónimo disse...

DEMOLIDOR!!!

F.Borges disse...

O direito de ser ambicioso é humano. O Seguro pode ser perdoado por isso. Mas por mais nada. Tudo o resto que ele fez até aqui foi sustentado pela traição, aos valores do PS mas também aos camaradas (se ele não entender, eu posso explicar-lhe melhor o que isso significa, a ele e aos reaças que se acotovelam na sua órbita).
O Seguro até pode vir a vencer essa merda de primárias sem jeito nem preparação, tudo depende do número de jotas PSD que durante as férias se mobilizarem. Mas está ferido de morte política, mesmo se ocupar o lugar de um Portas qualquer, nem sequer por querer dar um passo mais comprido que a perna, mas por querer ignorar e prolongar demasiado a ignorância do sentimento que sobre ele se enraizou nestes três anos (atendendo a que, nos anos precedentes, pouca gente estaria atenta às suas manobras traiçoeiras e aplausos ao Cavaco). O país e sobretudo os portugas dispensam bem os serviços de um engravatadinho, foi isso e nada mais que ele sempre foi por não saber ser mais nada do que que aquilo que no fundo sempre quis ser: um zero incomodativo. Confesso que até tenho dó quando, como nestes últimos dias, ouço a gritaria em que ele quer afogar a sua irrelevância.
O Seguro, se quer prestar algum serviço à nação, desiste de uma ambição que o coloca ao nível de um miserável e imbecil político como Passos Coelho, pau para toda a colher que queira mergulhar na gamela pseudo-liberal. E se quiser prestar um serviço ao PS e a todos aqueles que dentro e fora do PS querem lutar por uma democracia digna dos sacrificados, dá o lugar a outro. Porque ele, em três anos, não conseguiu ser absolutamente nada. Diz ele que se anulou para não dividir. Mas não terá sido essa a tarefa menos trabalhosa da sua carreira? Na melhor das hipóteses, é como fazer um exame e entregar a folha em branco: o resumo das suas ideias e propostas. Depois pode ser o Costa, é uma boa ideia. E até pode não ser a ideal (outros haverá mais implacáveis ainda com as atrocidades neoliberais), porque se escolherem três ou quatro dúzias de militantes socialistas que o Seguro abomina, basta tirar à sorte um deles para obter a garantia de ter alguém digno de confiança a pegar nas rédeas do país, em vez de ter que experimentar a nulidade de um pretendente cujo mais valioso pergaminho é ser amigo do Relvas.
Daniel Sampaio merecia aqui comentário de outro calibre e maior dignidade. Eu só dou o que sei, aproveitando a boleia. Mas é do fundo do coração.... e dos neurónios.

@zulebranco disse...

Completamente de acordo com a análise, seguro vai destruindo o capital de apoio do PS e a possível salvação do País.
António Costa vai devolvendo a Esperança de tudo isso e devolver um pouco de fé (que de muito precisamos) no projecto político.

Anónimo disse...

Bom, tenho uma sugestão : se não é possivel colocar à apreciação uma moção, num congresso extraordinário, para eleger novo lider do partido, é possivel colocar uma para expulsar um elemento do partido? Designadamente o secretário geral actual? Também isso está blindado pelos estatutos? É que se for possivel, rápidamente se resolve o embróglio...

R disse...



Grande professor Daniel Sampaio. Um profissional brilhante, um socialista convicto e um ser humano invejável! Este comentário é fruto das três caraterísticas enumeradas anteriormente. E é, ainda, um escritor maravilhoso!!

Anónimo disse...

Lá está, as vozes dos intelectuais de esquerda. O pessoal da capital que está completamente arredado do verdadeiro povo. È esta a "elite" que se mobiliza. Não o povo português.

Felizmente hoje há mais espaço nas redes sociais e nalguma imprensa para desmascarar este tipo de gente.

Intelectuais de esquerda que não sabem é o que é fazer um sacrificio para melhorar a vida e ter dignidade.

È tão claro que os mesmos que há 3 anos berram porque isto está mau, são aqueles que reformas e saláriaos mais altos auferem. Por isso Costa até ao momento só consegue o apoio daqueles que foram realmente prejudicados a sério nos seus rendimentos.

É interessante verificar que aqueles que defendem a redistribuição dos rendimentos, são aqueles que tendo sido chamados a fazê-lo, são os que mais esperneiam, mais gritam e mais conseguem mostrar como afinal da teoria à prática vai um grande passo.

As elites criadas em 25A e que sempre tiveram altos rendimentos que nunca foram beliscados, são precisamente aqueles que se juntam a Costa para tentarem a salvação das suas rendas.

Como me referia há dias uma pessoa do povo, bem humilde, "não percebo nada de politicos, mas tenho cá para mim que este (PPC) foi o primeiro que tirou aos ricos para dar aos pobres".

É com este tipo de reacção popular que os Danieis Sampaio da vida, os Freitas do Amaral da vida, os Soares da vida, os Turgais Ferreira da vida, as Ferreria Leite da vida, os Bagões Felix da vida não contam.

Talvez se enganem redondamente quanto ao sucesso da sua estratégia.


Gargonar disse...

Anónimo, por favor cura essa febre que te faz ter alucinações. Essa da citação a um anónimo sobre o ppc é o sintoma final da tua doença.