sábado, outubro 25, 2014

O Estado em outsourcing

Hoje no Expresso (via Nuno Oliveira)
Clique na imagem para a ampliar

9 comentários :

Rosa disse...



Aterrador, mesmo! Assim como estar a fazer planoe e tomar iniciativas para 2016, por exemplo. Isto é a loucura total!
Como vamos viver (sobreviver) ainda mais um ano nesta balbúrdia?

Anónimo disse...

Pois é, mas a esta deslegitimação e instabilização do Estado, atras da cortina de fundo da padronização, com outsourcisação acelerada de funções de atendimento ao cidadão para engordar privados e enganar papalvos, o futuro governo tem de opor o seu próprio conceito respondendo à destruição e mutação já em marcha. Com valores, princípios e conceitos firmes, e portanto a oposição tem de fazer esse trabalho de casa partindo das realidades dos contextos e conhecimento no terreno.

Anónimo disse...

Reina a balburdia e a destruição "gratuita" em todas as frentes do serviço público, a maioria com efeitos irrecuperáveis, sem que ninguém institucionalmente se rale ou indigne. O Sr. de Belém já esta outra vez a meter o bolo rei no bandulho. E a Oposição ( á parte o PCP) também foi destroçada e atomizada no facebook, etc.

Fernando Romano disse...

A própria governação de Portugal, com estes bandos, está desde início em regime de outsourcing. Não se trata, quanto a mim, nem de incompetência nem de ideologia. Chegaram ao poder através de um trágico equívoco na nossa democracia num momento singularmente complicado de dimensão internacional. O próprio povo português teve dificuldade em lidar com ele, porque tudo foi muito rápido e de consequências inimagináveis. Somos governados por tenebrosos interesses internacionais que fizeram destes bandos meros administrativos. Não concordo com os que dizem que eles têm um programa ideológico estruturado. Eles são simplesmente um bando de sacanas que enganaram o povo com a cumplicidade de parte da nossa imprensa. E, já agora, com o oportunismo criminoso do PCP e BE e grupos de "status" organizados no movimento associativo sindical e patronal e um punhado de oligarcas que é preciso pôr na ordem. Custa a dizer, mas tem que ser dito. Chega de paninhos quentes.

O QUE SE PASSOU COM A RECUSA DO PEC IV FOI UMA TRAIÇÃO À PÁTRIA!

Morgado De Basto disse...

Senhor Dr.Pedro Adão e Silva,faça-nos um favor:Não brinque mais conosco;Não seja calaceiro e preguiçoso;Estude Homem;Compare como se deve comparar;informe,quem o lê e o ouve,como se informava no tempo de antanho;e,já agora,tenha um rebate de consciência e peça desculpa aos Portugueses por todo o mal que tem andado a fazer à Pátria e ao bom povo irmanado no puro e são espírito de Deus-Pátria-Autoridade.

Mais solicito:Juntemo-nos,todos aqueles que por preguiça e insídia, não gastamos as nossas energias a entoar hossanas e louvores a todos quantos(liderados pelo homem novo, vindo sabe-se lá de onde,com passagem pelo portentoso grupo Económico "Tecnoforma" )dia após dia, chegam a casa com camisa e gravata encharcados em suor e lágrimas de tanto labutarem, a benefício de todos aqueles que,honestamente,vivem do seu trabalho e pagam impostos e,imolemo-nos pelo fogo purificando-nos para salvação dos nossos pecados e ingratidão.

Auto-avaliação:O enjoo é tal,que deu nisto!

Filipe disse...

Um Governo Neo-Liberal destruiria o Sector Público mas reduziria a carga fiscal.

Ora isto não é Liberalismo. É outra coisa muito, muito mais preversa.

O que está em causa é a destruição do Estado para engordar privados. Ou seja, a carga fiscal manter-se-á igual, a despesa pública também, mas os cidadãos terão piores serviços, e meia dúzia de privados engordarão as contas bancárias.

É o que sucede, por exemplo, com a querida caridadezinha do CDS e do PSD. Querem destruir o SNS e acabar com o RSI para engordar as Misericórdias.

Este Governo tem de cair e depressa.

Repito, isto não é Liberalismo nem Neo-Liberalismo! Isto começa a parecer outra coisa... Fascismo!

José Freitas disse...

QUANDO SE FALA DA ANÁLISE DO NOSSO TEMPO HÁ MUITOS COMENTÁRIOS POSSÍVEIS. É preciso mostrar como é o poder e quais as suas contradições.
ISALTINO DE MORAIS, PRESIDENTE DA CÂMARA DE OEIRAS E MINISTRO, FOI PRESO. POR QUE NÃO PRENDEM O VICE-PRESIDENTE DA CÂMARA DE PONTE DE LIMA?
Não pode haver dois pesos e duas medidas. Isaltino de Morais é um intelectual e o vice-presidente da Câmara de Ponte de Lima, nem na Universidade do Relvas andou, porque só tem os estudos mínimos.
Não estou a defender Isaltino, que mereceu ser condenado. E os outros?
O poder não pode ter 2 pesos e 2 medidas.
José Freitas

Anónimo disse...

"O QUE SE PASSOU COM A RECUSA DO PEC IV FOI UMA TRAIÇÃO À PÁTRIA!"

hahahaha..

soudocontra disse...

Ri-te, ri-te, homúnculo das 10:32:00 da manhã, quando for para o cu, até choras... de prazer, claro! Se calhar já estás a chorar de tanto rir, és f... sem dar por isso ou f...(s) sem darem por isso - não passas de um zombie ao serviço dos "tenebrosos interesses" que nos "sugam" e nem dás por isso!
MCTorres