sexta-feira, outubro 23, 2015

Tradições que nunca o foram


Hoje, Luís Montenegro lastimou-se por Fernando Negrão, que teve, em tempos, uns problemas embaraçosos com violações do segredo de justiça, não ter sido eleito para a presidência da Assembleia da República, afirmando ele não ter sido cumprida a tradição, o que vem sendo papagueado pelas televisões. É falso. Com efeito, Oliveira Dias, na imagem supra, foi presidente da Assembleia da República, sendo militante do CDS. E, tanto quanto se sabe, o CDS nunca esteve perto de vencer quaisquer eleições.

10 comentários :

Anónimo disse...

Também me pergunto qual foi a tradição que vigorou na legislatura de António Guterres, quando a direita teria chumbado os orçamentos de estado e derrubado o governo se não fosse um deputado do CDS, dissidente, a viabilizar a governação socialista. Alguém devia recordar Paulo Portas desse tempo, a ele que hoje esteve a dar lições de tradição democrática em Portugal.

Graça Sampaio disse...

A tradição é uma coisa; o conhecimento das coisas é outra - para estes montenegros do caminho.

Anónimo disse...

Mas à Assembleia Legislativa cumpre aprovar as leis ou as tradições?

Anónimo disse...

Luis Montenegro é um dos rafeiros da maçonaria, um vira latas que serve para isso mesmo: para virar latas e lá enfiar a fuça. Não passa dum ignorante, dum convencido.

Anónimo disse...

e coisa curiosa montenegro, a partir de 2012, quando andava tudo a coçar no traseiro como o macaco, virou empresário, tampas para as garrafinhas de água, azeites ou óleos ou lá o que é e uma bela avença na câmara onde tem tabique montado.

Jose Reis disse...

Vocês ainda não perceberam e são mal intencionados.
O parolo de boliqueime quis dar à esquerda a possibilidade de ela se unir e com isso formar um governo e com fortes possibilidades de eleger um presidente.
Uma maioria, um governo e um presidente!!!
Quem "gratos" devem estar a MB e MRS.
Vivó Cavaco.

Anónimo disse...

Carlos Zorrinho esteve mal. Anda desatento. Telmo Correia no frente-a-frente da SIC Notícias também falou dessa tradição. Carlos Zorrinho tinha obrigação de falar nesse deputado do CDS que presidiu à Assembleia da Repúbvlica em 1991, creio. O PS deveria propor a substituição. Ele já ganha demais no Parl Europeu; não necessita da avença da SIC.

Zé da Póvoa disse...

Mas se se fosse pela tradição na escolha do Presidente da AR então não era preciso realizar a votação no plenário!!!

Anónimo disse...

Oliveira Dias foi PAR, mas foi eleito pela AD, que ganhou as eleições.

Anónimo disse...

O Telmo Correia é monárquico, diz ele, tal como se dizem Paulo Portas, João Almeida, Marcelo e companhia. Vão ao beija-mão do 1º de Dezembro, abanam-se em recepções ao lado do successor do trono, mas Telmo, e todos eles, têm tachos, tachinhos e tachões na República. O que eles são é da Seite do Venha a Nós o Pote. Só assim se explica que o movimento monárquico não tenha um jornal, um programa de radio ou tv, não promova conferências e seminarios. Não tem dinheiro, é pelintra. O dinheiro anda nas contas bancárias desses marmanjos todos, Teixeira Pinto incluido. Muito parvo é quem acredita nestes tipos.