quarta-feira, outubro 29, 2008

Estado da arte

José Narciso Cunha Rodrigues, que antecedeu Souto Moura no cargo de procurador-geral da República, fala pouco em público (pelo menos desde que é juiz do Tribunal de Justiça das Comunidades Europeias). Mas quando fala, é para ser ouvido:

4 comentários :

Anónimo disse...

Com estas generalizações deve estar gágá ou a fazer-se a algum tacho.

Anónimo disse...

Foi o que ele sempre disse àcerca do estado da arte. O que é triste é que o estado da arte é o mesmo há décadas. Havendo tantas escolas de direito e tantos doutores ou doutorandos do mesmo, inexistem estudos sobre o sentencing em Portugal. O MJ deveria promovê-los e seriam muito mais interessantes que essas análises do Observatório da Justiça sobre os efeitos das recentes alterações ao CP e ao CPP.
Quanto aos tachos: o dr. Cunha Rodrigues não precisa de mais. O actual governo foi magnânimo ao possibilitar-lhe mais uma comissão no Tribunal das Comunidades.

dean disse...

Ele tem razão.


Só é pena é que muitos dos pareceres do Conselho Consultivo da PGR enfermem do mesmo mal.

xico ribeiro disse...

SO 20% dos portugueses confiam na justiça, DN de hoje.

Algum jornalista se preocupou em perguntar aos dois dirigentes sindicais do sector, tão lestos que eles são a comentar tudo,as razões deste numero tão baixo?

Na minha opinião estes dois sindicatos são os responsaveis nº.1 de todos os males que enfermam a justiça.