segunda-feira, junho 06, 2011

Vencidos do 5 de Junho [3]




Os professores da Escola Pública (e os trabalhadores do Estado em geral), desde logo os que tenham um vínculo precário, poderão ser as primeiras vítimas do “emagrecimento” do Estado. Estranho é que ainda ninguém tenha ido ouvir os Nogueiras & Guinotes: eles devem ter a receita para defender o ensino público.

23 comentários :

Anónimo disse...

O atrasadinho do Guinot está eufórico.

Olha, o outro seu amigo já lhe está a fazer a educação que eles gostam:

Cavaco Silva veta alteração aos apoios do Estado ao ensino particular e cooperativo.


Vamos lá todos pagar os aviõezinhos, as aulas de equitação.

Anónimo disse...

não, vão todos para o privado ganhar bués de massa e são
indemnizados pelo público. os sindicatos recebem uma % e a revolução cultural fica feita.

Um professor disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...

O Socrates é um mentiroso, porque queria professores avaliados.

Que ideia mais parva.

Além disso construiu uma série de novos parques escolares para os senhores professores ficarem melhores instalados e poderem desempenharem melhor a sua função.

Outra parvoíce.

Anónimo disse...

Nao admite?
Oh, professorinho!!!!!
Ainda n assentou o cu na cadeira e ja esta a querer dar ordens?
Fique tranquilo porque vai aceder ao ultimo escalão em auto avaliaçao progressiva!
O seu cavalo ganhou. N se canse a escrever aqui!

james disse...

Senhor Professor das 02:53:00 PM,

Reunidas que estão as condições, depois da vossa luta heroica, por "mais um escalão" e pela manutenção das horas de redução semanal e pela auto-avaliação, aguardo, agora, que possais desenvolver um ensino com mais decência (agora sem Magalhães), na expectativa de ver os frutos, designadamente através dos meus filhos, de quão nobre é a vossa função e, de preferência, sem erros na língua portuguesa e com o sucesso das matemáticas aplicadas by Nuno Crato.

Ficarei atento.

Anónimo disse...

"O que aí vem pode não ser melhor"

Quanto à vontade de contribuir para melhorar o ensino em Portugal estamos conversados.
É cada um pelo seu umbigo, as crianças que se fodam!

Anónimo disse...

Se as crianças fores o espelho dos progenitores, sim, que se fodam !

Escumalha já temos muita.

Paulo G. disse...

Tantos anónimos num blogue com moderação de comentários?
Fico baralhado.

Quanto aos residentes do CC, o meu respeitoso ósculo pelo ressabiamento.

Só pergunto uma coisa: "Nogueiras & Guinotes" significa que sou cripto-comunista, que sou bloquista ocasional ou que represento uma ponte com os laranjinhas?

Fico sempre fa'cinado com a fineza da vossa análise.

Anónimo disse...

és cripto-parvo em bicos de pés para ver se te calha algum, é pra onde der. enquanto não dá frequenta as novas oportunidades e aprende a escrever.

Passinhosdemassama disse...

Quero que os professores se "fo..m", tudo que lhes venha a contecer não contarão com o mais leve sinal de solidariedade. Tem o que sempre desejaram ter.

estou à rasca disse...

o Guinot é portugues?

Anónimo disse...

Ai que chuchalistas com tão mau perder!
Aqui os professores estão preparados para tudo!! Ser despedidos, ser avaliados por uma entidade externa! Tudo! Menos ser governados por Sócrates e gente como vocês!

Anónimo disse...

O primeiro anónimo que chamou atrasado ao Guinote, deve ser letrado nas NO, haverá de pensar que o dito se enganou a escrever e juntou uma consoante a ósculo. Quanto a Magalhães, prefiro um abono familiar!

Socialista sério disse...

C'um catano,
tive dúvidas de que o ódio "deste PS" à classe média, designadamente aos professores, fosse táctico, e menos imaginaria que pudesse ser estratégico.
No fundo, talvez seja figadal e saloio e estúpido, muito estúpido.
Qualquer ser pensante que dependesse de Sócrates e de socratinos teria de ser trucidado. O partido que mais contava com a maioria dos sectores da classe média foi aquele que mais mal a tratou. Não se curem do mal de inveja...

Um professor disse...

Sou professor e, por isso, não admito que usem os professores neste vosso momento de rassabiamento.

Os professores contribuíram orgulhosamente para a derrota de Sócrates, mas sem a veleidade de pensar que a nossa situação melhorará.

O que mais levou os professores a votarem contra o engenheiro foi a forma abjecta com que ele usou a mentira contra toda uma classe, com o objectivo de obter o apoio da opinião pública.

O que aí vem pode não ser melhor, mas pelo menos não nos usou como bode expiatório alicerçado em mentiras e falsidades.

Anónimo disse...

Uma jovem portuguesa , estudante em Espanha,conversava com um dos seus colegas, espanhol, filho e irmão de professores sobre os salários e reformas dos nossos professores. Como ele não acreditasse no que ela lhe dizia , acedeu ao site da CGA para que ele pudesse comprovar que os professores portugueses auferem de reforma 2.600 euros . Comentário do colega : "não admira que vocês estejam tão mal. Os nossos professores(espanhois)reformados ganham abaixo de 1.500 euros".
Eu até considero que há professores portugueses que merecem estes salários mas não me conseguem convencer de que TODOS sejam merecedores.Como o tempo é de sacrifícios não podemos permitir que se desperdice dinheiro com quem não tem mérito.Será que o PSD vai mesmo ceder à pressão do Sr.Nogueira e rasgar a avaliação? Não me falem em autoavaliação que isso não vale.Não me digam que a avaliação é injusta porque nehuma avaliação é totalmente justa. Não deixem os nossos alunos à mercê de professores incompetentes convencidos do contrário.

Socialista Sério disse...

Foi pena não aceder também à Caixa Geral de Aposentações espanhola. Bom truque, o que mostra o nível de sofisticação e de manipulação dos velhos detractores. Num caso, consulta-se a CGA para confirmar, ainda por cima uma realidade que já terminou porque as carreiras já não são assim; por outro, basta a boca de um espanhol, na rua, que tanto pode ter mentido, como pode ter referido uma situação igual a muitas em Portugal de pessoas que nem chegam a entrar na carreira.
Enfim, os truques habituais e pouco dignos que ajudaram a enterrar Sócrates. Paz à sua alma!

Anónimo disse...

os professores são um verdadeiro problema, como classe sanguessuga do estado eles não são mais de que uns infelizes que encontram no ensino forma de ganhar o seu ordenado, sem ql competência para ensinar...

foi aluna e sou mãe de uma aluna do ensino público e sei perfeitamente do que falo...Professores foram poucos os que encontrei, embora as coisas estejam melhores a nível do ensino, continua a haver muita arrogância desta faminta classe

Anónimo disse...

Não foi preciso aceder à CGA espanhola porque o colega espanhol é filho de professor reformado e sabe bem o que o pai ganha . Como ambos( a portuguesa e o espanhol) não são mentirosos , não houve necessidade a mais comprovativos sem "truques" ."Truques" é mais noutras àreas e actividades ( e.g. explicações pagas a peso de ouro sem direito a recibo).

Socialista Sério disse...

Pois. Agradeço a confirmação do que disse. Nem valia a pena este carimbo. A constatação estava feita há muito tempo. Quando eu era mais novo, a inveja era sobre os bancários, sobre os trabalhadores da EDP, da Telecom, da CP, etc. e era avulsa. Agora é um partido organizado que recorre a ela, como se viu nalgumas organizações e pela TV. Até um presidente da República disse que na Finlândia os professores trabalhavam 50 ou 60 horas por semana (não me lembro bem). Realmente lá, com a educação daquele povo, deve ser mais fácil trabalhar 60 horas do que em Portugal metade, com a falta de educação de muitos filhos de pais que andam por aí. Tenho muitos amigos professores que se reformaram com pouco mais de 1000 euros, porque não estavam para aturar mais as impertinências de gente que, infelizmente, o PS "mobilizou". Fui sempre simpatizante do PS. Custou-me ver a utilização do instinto português mais baixo, mais cavernícola, contra uma classe profissional, para fins eleitoralistas, como me custavam as invejas antigas que referi. Normalmente, vindas daqueles que nunca conseguiram, nem conseguirão, sê-lo, claro!

Anónimo disse...

Bom,para esclarecer a questão,aqui vai a verdade: O nosso presidente,ex-primeiro ministro,baixou a idade da reforma dos professores para 52anos ou 32 de serviço.Daqui resultou que,estes senhores passariam a auferir 90% do último salário.Ficaram muitos milhares a receber de 2000 a 2600 euros até ao fim da vida.Agora façam as contas e avaliem quanto vão receber,durante 30 anos!Descontaram,durante a sua vida de trabalho,apenas 10%.Começou a guerra,quando Sócrates acabou com este escândalo.Depois quis implantar a avaliação,foi outra guerra.Mas,apesar destas guerras,conseguiu um objectivo único,notável: escola a tempo inteiro,Magalhães,escolas novas,melhoria dos resultados,enfim, uma obra que a escumalha não apagará.

Socialista Sério disse...

Pois. Nunca ninguém disse que não era necessário tomar medidas. A primeira delas podia começar por si, dizendo que se está a referir aos professoers do primeiro ciclo. Aliás, penso que algumas das asneiras que se dizempartem dessa generalização. Outra correcção a fazer é esta (e não a disse antesde propósito para ver até que ponto ia o descaramento das acusações e do ódio aos professores): todas as regras do estatuto foram aprovadas por governo; e, como reforço, nenhum ptofessor assinou e publicou qualquer legislação ou estatuto. Para terminar, devo dizer que raramente me apercebo de contestações a muitas das medidas que foram tomadas. O que me parece é que as contestações foram contra medidas impossíveis e contra o ódio e acrimónia de governantes. Um minúsculo exemplo, Isabel Alçada fez algumas pequenas alterações de forma a tornar possível a aplicação dalgumas regras e foi sempre educada, logo, a contestação ficou reduzida a pouco mais que zero. O pior é que as pisadelas anteriores ainda doíam. Veja o que Sócrates fez na Saúde com um Ministro com letra grande, na sequência das manifestações; veja o que ele fez na Educação com uma Ministra que até escondia que tinha sido professora do primeiro ciclo. Pois é. Mesmo para terminar, acrescentar mais um escalão foi visto quase como um insulto para praticamente todos os docentes, ninguém o queria, ao contrário do que se diz por aí! (Talvez alfuns sindicados pensem de maneira um pouco diferente, mas os professores não são os sindicatos. E nestes, a Ministra não procurou "apoio", nem daqueles que cabem num táxi).