domingo, novembro 02, 2014

O Pingo Doce «à procura da Liberdade»


Robert Rowland¹ chama a atenção no Facebook para um protocolo assinado entre «a Fundação Francisco Manuel dos Santos (FFMS - vulgo "Fundação Pingo Doce") e o Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa», mediante o qual «o ICS "apoiará a FFMS na definição de tópicos de investigação para projectos que se proponha realizar ou financiar". Para tal, "a FFMS indicará à Direcção do ICS os investigadores que realizarão as correspondentes actividades" enquanto que "a quantificação dos custos com as actividades referidas será estabelecida pela FFMS e aceite pelo ICS-IUL".»

Trocado por miúdos:
    1. A fundação Pingo Doce reconhece que não tem conhecimentos nem capacidade para realizar «projectos de investigação», pelo que recorre ao Estado para a orientar;

    2. Estando «à procura da Liberdade», a fundação Pingo Doce é que escolhe os investigadores aos quais serão entregues os projectos, não vá o diabo tecê-las;

    3. A quantificação dos custos dos projectos será estabelecida pela fundação Pingo Doce, cabendo ao Estado aceitar as contas do merceeiro sem pestanejar.

O protocolo foi assinado por Manuel Villaverde Cabral, então presidente do ICS, e por António Barreto, então administrador da fundação Pingo Doce, e que chegou também a dirigir o ICS. Quando estes dois aparecerem na televisão — e aparecem muitas vezes — a discorrer sobre o Estado, o regime, a sociedade civil, etc., é bom recordar este episódio. Porque é o programa da direita aplicado.

_____
¹ Via Miguel Vale de Almeida.

8 comentários :

Anónimo disse...




Enoja-me as fuças deste Soares dos Santos.

Antonio Cristovao disse...

O ICS também está no lote dos 60% que recebeu a classificação de medíocre?

Olimpico disse...

Há quem diga que as acções da Jeronimo Martins estão a cair todos os dias, a partir das afirmações irracionais e até racistas, contra o chibeses. Em menos de uma semana já lá vao quaze 30%.O velho já não se controla, mesmo sabendo que o único, a responder aos disparates, é evfii Sofrstes.

Anónimo disse...

O que está em causa é a transferência dos custos de formação/investigação para o estado.

Para que serviu a fusão UTL-UL, afinal? disse...

Dois merdas ex-comunistas virados arautos da extrema-direita - se isto não é ser um pulha oportunista, não sei o que será.

Em termos institucionais, não se percebe, de todo, como é que na fusão UL-UTL, destinada a acabar com redundâncias na investigação e formação, um institutozeco de merda como o ICS não foi extinto e fundido com o ISCSP, bem maior, melhor e mais antigo. Fundiram-se as duas academias para acabar com sobreposições, mas esta mantém-se - da parte da malta do ISCSP até percebo que não se queiram associar com escumalha como a Filó, o histérico do Villaverde, o Vasco Correia Guedes ou o troca-tintas do Barreto, de facto.
Logo eles, que passaram os últimos quarenta anos a serem apelidados de escola de fascistas e por aí fora, mas parece que o proveito é mesmo dos ICSs desta vida. O coitado do Sedas Nunes deve estar a dar voltas na tumba, que andou a dar oportunidades a pulhas ordinários como esses Barretos e afins.

Anónimo disse...

Não estou a retirar mérito ao blogue, o qual eu há algum tempo acompanho e pelo qual tenho excelente consideração. Mas eu tenho de fazer esta pergunta... Porque é que estas coisas não são descobertas por jornalistas? Não são os jornalistas as pessoas que devem denunciar estas trapaças ao público? Porque é que isto não dá num telejornal ou porque é que não aparece numa primeira página de um jornal de grande tiragem?

Estas pessoas (Soares Santos, Barreto, etc.) vão à comunicação social e dizem uma coisa. Por detrás da cortina fazem outras! E ninguém denuncia isto na comunicação social? É uma vergonha!

Anónimo disse...

Porque a comunicação social, apesar da opinião pouco informada, preguiçosa e mentirosa do alegado primeiro ministro, está toda COMPRADA por esta direita neo fascista a quem que os portugueses tiveram a infelicidade de entregar o poder de mão beijada em 2011.
Essa é que é essa.
Coisas destas nunca passarão na comunicação social. Por isso mesmo já deixei de comprar jornais e ver telejornais. É tempo perdido.

Cala-te e passa o cheque, zé pagante (e votante) disse...




Tal como no caso do BES, para esta canalha há o ESTADO MAU, quando lhes tira a "liberdade" de nos roubar e explorar a todos, mas depois também há o ESTADO BOM, na hora de entregar a faturinha!

É assim, anjolas...