quinta-feira, julho 09, 2015

Da asfixia democrática

    «A meio das peças noticiosas sobre o “Estado da Nação”, a RTP decidiu mostrar uma série de infografias no telejornal com os principais dados macroeconómicos, comparando 2011 com 2015. Até aqui tudo bem. A contextualização da informação faz parte do trabalho jornalístico e facilita a compreensão das peças. O que não faz parte do trabalho jornalístico é pegar nos dados fornecidos por um dos intervenientes, neste caso o governo, e apresentá-los como um contributo para a notícia. Os exemplos que se seguem nas fotos demonstram o nível de manipulação dos dados*. É propaganda. E má. A maioria dos indicadores que avaliam a legislatura são projeções - não por acaso todas favoráveis ao governo. Vejamos. A dívida está nos 130,3% (já agora, quando o governo tomou posse estava nos 106,6%¹ e não 111%). O défice em 2014 ficou nos 4,5%, mas, com Novo Banco, pode até chegar perto dos 6%. O PIB em 2014 cresceu 0,9%. As projeções são como os chapéus. Há muitas. E as do Governo raras vezes acertam. Como a RTP, neste caso.

    * é digno de nota que o site do governo da república não tenha o registo histórico dos anteriores governos, como devia num site oficial, mas tenha todo o tipo da dados com a "narrativa" da coligação.»

_______
¹ Salvo erro, a dívida em relação ao PIB estava então em 96%.

O CC errou — Pedro Sales corrigiu o que escrevi: «96% era o valor da dívida no início de 2011. No final do segundo trimestre, que coincide mais ou menos com tomada de posse do actual governo, o boletim do banco de portugal indica que a dívida estava nos 106,6%.»

17 comentários :

Anónimo disse...

o défice em 2011 foi de 4,2% (com a ajuda do fundo de pensões da banca e de uma parte do da pt). espero que o ps não se cale mais uma com esta manipulação grosseira da rtp. porque é que o orelhas não comparou com os dados já conhecidos de 2014 e foi comparar com as previsões de quem não acerta uma? ele diz que não se cala ... no apoio ao governo.

Anónimo disse...

é uma vergonha o telejornal da RTP !!!! deviam era baixar os ordenados a esta malta toda porque é uma verdadeira ofensa ao povo....

RFC disse...

Ontem foi um dia negro para o serviço público de televisão.

Também na RTP Informação, a partir das 21h, Cecília Carmo e André Macedo analisavam o debate parlamentar sobre o Estado da Nação. A linha de argumentação do director do DN baseava-se em que os partidos da coligação mantiveram um discurso suave, Passos Coelho e Paulo Portas maxime, em linha com o que as últimas sondagens demonstravam de crescimento do apoio ao PSD/CDS. Ao contrário, André Macedo apontava a agressividade dos partidos da oposição motivada por.. desespero.

Para quem passou por ali num zapping, como eu, foi hilariante ver e ouvir como o director do DN representava bem o seu papel a fazer lembrar as personagens fellinianas na sua Nave dos Loucos.

Filipe Pedroso de Lima Domingos disse...

Com sste artista José Rodrigues dos Santos, vale também tudo. Deixei de ler os seus livros porque não o suporto...

Anónimo disse...

O Orelhas + um grupinho de fascistóides que só dão mau nome à TV que todos pagamos.

Assim que vejo aqueles abanos de "comandante de castelo" , mudo logo para outro canal e internacional de preferência.

Anónimo disse...

Isto é, se os dados forem a nosso favor, que os mostrem. Se forem a favor dos outros, escondam-se. Temos regime soviético?

Anónimo disse...

os dados de 2011 estão errados! os de 2015 não são dados. qual regime soviético, qual cacete!

Fuzileiro disse...



abortos ! estão já no desespero , a esgotar o arsenal todo , daqui por três meses estão no fundo da merda ...

Anónimo disse...

A culpa foi de Sócrates e do Almerindo que não conseguiram ou não quiseram correr com esta cáfila de "jornalistas Manchús" que pululam pela RTP e que são activados quando as coisas apertam lá para os lados do laranjal, sendo mesmo responsáveis pelo spin que os colocou no poder. O André Macedo é só mais um que aparece de vez em quando para dar uma forcinha. Vão começar a aparecer mais "fazedores de opinião" destes e mais os "idiotas úteis" ressabiados do PS do costume.

Anónimo disse...

..e o o anão da sic (j G Ferreira) ontem a noite numa peladinha com tres supostos representantes de empresários? Aquilo fazia rir de tanta mentira e tanta manipulação e subserviencia ao governo e à direita! Estamos numa democracia totalitária! Fascismo com novas caras e novas mascaras!

Pedro Sales disse...

96% era o valor da dívida no início de 2011. no final do segundo trimestre, que coincide mais ou menos com tomada de posse do actual governo, o boletim do banco de portugal indica que a dívida estava nos 106,6%.

Miguel Abrantes disse...

Pedro Sales:

Obrigado pela correcção.

Anónimo disse...

Segundo dados do eurostat a dívida do fim de 2011 era de 111,1%.

http://www.tradingeconomics.com/charts/portugal-government-debt-to-gdp.png?s=prtdebt2gdp&d1=20110101&d2=20111231

Agora que é ridículo, ou pior que isso, propaganda governista, relacionar números de facto, realizados, com números previstos pelo governo, isso é.

João.

Anónimo disse...

Pior é o Expresso com o editor de política colado ao PSD! Bernardo Ferrão, um nome a reter pelo seu exacerbado sentimento pró-Santana! Ainda esta semana apresentou o livro do chefe de gabinete do homem na Santa Casa, depois de já o ter posto a escrever no jornal. No expresso há quantos jsd a escrever?

Anónimo disse...

O governo actual ganhou eleições em Junho de 2011. Portanto metade do ano de governo já foi da responsabilidade destes salafrários. Está explicado porque os dados da divida estão errados e os 111,1%. não são responsabilidade do governo anterior.
Ou só vale falar do passado e atirar culpas quando é este governo a faze-lo com os outros?
Ide cagar pra mata.

Noé Chomesqui disse...



Tontos. Isso é mesmo o que eles querem: números opacos em vez de VERDADES!


Estão a discutir nos termos que eles mais gostam. Depois são forçados a correções e a desculpas. Hão-de ir longe, assim...

Júlio de Matos disse...



Sim, o Povo sério e decente está farto de discussões tecnocráticas àcerca de NÚMEROS, GRÁFICOS E PERCENTAGENS, que ninguém pode contestar eficaz e credivelmente no fulminante "tempo" mediático!


Do que as pessoas precisam é de IDEIAS SÓLIDAS e de FRASES CERTEIRAS, que descrevam inequivocamente a REALIDADE, para além das quantificações e das classificações demasiado "técnicas" e que só "entendidos" sabem realmente debater, e se aproxime do que elas SENTEM e que, lamento muito, NÃO ESTÁ A SER DITO COMO DEVIA desde há demasiados anos a esta parte.

O Referendo grego, que "não serviu para nada" (aparentemente...), vai certamente marcar uma viragem histórica de proporções incalculáveis. Como marcou, por exemplo, a Tomada da Bastilha (que também de pouco serviu, na prática!). Quem não entender isto, deve saír da frente e dar lugar ao Futuro que está aí à espreita.


GET OUT OF THE WAY IF YOU CAN'T LEND A HAND...


FOR THE TIMES THEY ARE A-CHANGING!