sábado, setembro 27, 2014

O pecado original: a constituição da «ONG»


Andamos todos entretidos a discutir o montante das «despesas de representação» que Passos Coelho auferiu na «ONG». Mas há um pecado prévio: a constituição da própria «ONG».

As organizações não governamentais (ONG) são instituições, sem fins lucrativos, constituídas de forma autónoma, destinadas a desenvolver acções de solidariedade no campo das políticas públicas. O ex-dono da Tecnoforma afirmou que a constituição da «ONG» foi um mero expediente a que ele e Passos Coelho recorreram para facilitar o acesso a fundos comunitários.

Ora a primeira questão que o alegado primeiro-ministro tem de esclarecer é o seu envolvimento neste manhoso expediente, a ponto de se ter tornado o presidente da «ONG».

A entrevista do ex-dono da Tecnoforma à Sábado põe em evidência que o alegado primeiro-ministro ainda tem muito por esclarecer. Eis algumas passagens:
    - O que é que lhe disse [a Passos Coelho] que pretendia com o tal Centro Português para a Cooperação?
    - O objectivo era explorar as facilidades de financiamentos da União Europeia para projectos em Angola ou nos PALOPs [Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa].

    - Mas a ONG era uma organização de solidariedade ou uma forma expedita de conseguir negócios para a Tecnoforma?
    - Aquilo que ela devia fazer era simples: nos projectos que visassem as áreas da formação profissional, ela tentava arranjar os financiamentos para esses projectos. Depois, para implementar esses projectos, a ONG socorria-se da Tecnoforma para fornecer o know-how.

    - Ou seja, a ONG contratava depois a Tecnoforma para fazer na prática os tais projectos.
    - Sim, naquilo que fosse do âmbito da Tecnoforma.

    - Mas Passos Coelho disse ao Público que encarou com "seriedade o propósito" de ajudar a "criar uma ONG com a finalidade de promover a cooperação" entre Portugal e os PALOPs.
    - Só posso dizer que ele foi receptivo ao que ouviu e disse logo que tínhamos de arranjar estas e aquelas pessoas e arranjou. Arranjou pessoas que eu não conhecia.

    - Que género de pessoas eram essas?
    - Pessoas com influência.

    (…)

    - No seu entender, Pedro Passos Coelho queria no CPPC gente com influência para quê?
    - Que pudessem de facto, sei lá, movimentar, abrir ou facilitar a vinda de projectos para a ONG no âmbito da formação profissional e dos recursos humanos e que depois esses projectos pudessem ter a participação da Tecnoforma.

    - Volto a perguntar, Passos Coelho sabia que esta ONG era criada com esse intuito?
    - Tanto é assim, que eu cheguei a ir com ele a Bruxelas para um encontro com o comissário europeu João de Deus Pinheiro [militante do PSD, ex-ministro da Educação e dos Negócios Estrangeiros em três governos de Cavaco Silva e Comissário Europeu entre 1993/2000].

    (…)

    - Quando convidou Passos Coelho para presidir à ONC prometeu-lhe um ordenado, uma avença ou qualquer outro pagamento?

    - Vou pedir-lhe para parar a gravação.

    Reinício da gravação (13 minutos depois).

    - Pedro Passos Coelho era remunerado pela ONG ou pela Tecnoforma?
    - Eu não me recordo de remunerações, não me recordo. Só posso dizer que as despesas que envolviam os custos do CPPC eram todas pagas pela Tecnoforma.

    - Ele não tinha remuneração oficial, é isso?
    - Não havia contrato nem nada.

    - O que não quer dizer que não lhe pagasse.
    - Eh pá, isso já não me recordo. É um bocado arriscado estar-lhe a dizer e era grave.

    (…)

    - Mas pode dizer-me quem financiava o CPPC?
    - Vinha tudo da Tecnoforma.

    - O CPPC tinha um orçamento anual formal?
    - A Tecnoforma pagava as despesas que aparecessem. As instalações do CPPC eram também na Tecnoforma, pois ficavam na sede da empresa, no Pragal [Almada].

    (…)

    - Passos Coelho era o seu lobista de serviço?
    - Não gosto da expressão.

    - Não gosta porque não gosta ou não gosta porque não corresponde à realidade, àquilo que acha que ele fazia?
    - Não sei, não sei responder.

7 comentários :

Jose Machado disse...

É tão clara a entrevista que nem merece comentários...

Anónimo disse...

ONG = Onde Ninguém Ganha, daí Passos estar a falar verdade!

Anónimo disse...

Olhando à retórica dos partidos, parece-me que têm acesso às tais contas e aos seus detalhes fornecidos na denúncia anónima. Será mesmo verdade que esses detalhes contêm informação que deixam mal Passos Coelho?

Anónimo disse...

Para votar preciso de levar o meu número de inscrição? Muito obrigado

Anónimo disse...

sáb Set 27, 09:45:00 da tarde,

Não.

Leve BI ou CC e se possível comprovativo de validação da sua inscrição.

Recebeu dois emails quando se increveu como simpatizante. Imprima um deles e levo-o consigo também.

Anónimo disse...

Eles dizem: «se possível, levar o seu comprovativo de inscrição».

Anónimo disse...

Só é preciso o numero dos sapatos...